My favorite things

Loading...

terça-feira, setembro 2

Orlando, Virginia Woolf



Na imagem, trabalho de Júlia Ventura

«Com um pouco de resolução podemos, de facto, expulsar de nossa casa a Memória, essa atrevida, com todo o seu cortejo e seus pertences (...).
Da última vez que assim se detivera, o amor, com a sua horrenda comitiva, as suas charamelas, os seus címabalos e as suas cabeças decepadas, emolduradas de caracóis sangrentos, aproveitara para forçar a entrada. Por amor sofrera os tormentos dos danados. Agora de novo se detinha, e pela brecha assim aberta irromperam Ambição, essa megera, Poesia, essa Bruxa, e ânsia de Fama, essa rameira; todas três, de mâos dadas, fizeram do coração de Orlando o seu salão de baile. Perfilado na solidão do seu quarto, jurou que seria o primeiro poeta da sua raça e daria ao seu nome um fulgor imortal
».

V.W.

Inebriante a (re)leitura deste livro.
Esta escrita no feminino de um Orlando em busca do Eterno, através das vidas (e emoções) que vai vivendo.

Nenhum comentário:

Lily Allen

Loading...

Que as ragas tragam ao dia o que a noite lhe roubou

Loading...
Loading...
Loading...

Bom Domingo

Loading...

oiça a Buika ... oiça bem

Loading...

e oiça também a Lila Downs

Loading...

i want you, but i don´t need you ...

Loading...