My favorite things

Loading...

domingo, junho 23

A maior Lua Cheia do ano ...

A Lua, astro satélite sem luz própria, faz-se sempre recordar uma velha oração que conheci no Alentejo e ainda uma outra cidada no «Asno de Ouro» de Apuleio que dão conta, por um lado, do sincretismo religioso daquele território e do papel que os cultos lunares desempenham nas crenças e religiões desde épocas remotas.

Passarei a citar:


"Lua, Luar

Toma lá este Bébé

Ajuda-mo a criar

Tu és Mãe e eu sou ama

Cria-o tu que eu lhe dou mama

Em louvor da Virgem Maria

Padre Nosso, Avé Maria"



A outra citada por Apuleio, no Asno de Ouro, faz também eco da mesma devoção lunar, pois atribui ao burro na sua caminhada iniciática uma oração dedicada à "Lua cheia resplandecente de admirável brilho" a quem confere uma "transcendente majestade, e que todas as coisas humanas se regiam por sua providência; que não somente o gado e as bestas feras, mas também as inanimadas, vegetavam pelo divino influxo de sua luz e divindade (...)".

E o Asno suplica à Lua, apelando a atributos que lhe foram conferidos ao longo dos tempos:

" Rainha dos céus, ou tu sejas Ceres criadora, primeira mão dos frutos (...); ou tu sejas a celeste Vénus, que na primeira origem das cousas ajuntaste os diferentes sexos gerando amor, e propagaste a espécie humana de eterna descendência (...) que, favorecendo o parto das mulheres com brandos remédios, tens dado à luz tantos povos (...); ou tu sejas Prosérpina, horrível pelos uivos nocturnos, que reprimes com a triforme face os ímpetos dos espectros, e encerras os arcanos da terra e, vagueando por diversos bosques, és aplacada com diferentes modos de culto: tu que alumias os muros de todas as cidades com a tua feminina luz, que crias as alegres sementes com teu húmido fogo e esparges uma luz incerta segundo as revoluções do Sol: por qualquer nome, quaisquer ritos e debaixo de qualquer forma que é lícito invocar-te, tu me socorre agora em minha extrema calamidade (...), tu dá-me paz e repouso depois de tão cruéis desgraças sofridas” .


Na primeira oração , é clara a associação da Lua com a feminilidade e a maternidade.

Na segunda oração, a que Apuleio põe na boca do Asno, a Lua aparece-nos com uma feição mais complexa: ora símbolo criador, fecundador; ora rainha e regradora do mundo humano, animal e inanimado; ora símbolo do amor e da união dos sexos, associada a Vénus.

Mas a Lua também nos aparece aí associada a a uma divindade do mundo subterrâneo, Prosérpina, "horrível pelos seus uivos nocturnos", pois esta divindade, filha de Zeus com Demetra foi raptada por Hades o deus dos mortos que fez dela a sua esposa, vivendo com ela parte do ano, nesse mundo das "entranhas da Terra".

Daí advêm, certamente, muitas das associações maléficas que se atribuem à Lua na tradição popular, com efeitos perniciosos de mau-olhado ou de "quebranto".

Mas também por isso a Lua representa a passagem da vida para a morte, uma vez que, como astro que aparece e desaparece, ela tanto está tanto morta, como viva.

Ainda por esses ritmos de aparecimento/desaparecimento; Luz/Escuridão; Morte/Vida, a Lua funcionou como símbolo dos ritmos biológicos, motivo porque ainda hoje a gravidez é marcada pelas Luas, atribuindo-se-lhe também grande importância nas marés e nos ciclos agrícolas.

Ainda por isso mesmo alguns calendários da Antiguidade se regeram pelos ciclos lunares.

A Lua na sua conotação com o mundo feminino, sem Luz própria, ou seja um astro satélite natural da Terra sem Luz própria, que reflecte a Luz do Sol de forma descontínua, é também símbolo de transformação e de crescimento. De caminho ou caminhada.

Que seja um Boa Caminhada em ciclo de S. João|




quarta-feira, junho 12

O Vermelho e o Negro, Stendhal








Voltarei sempre ao Vermelho e Negro, como um dos mais belos romances que li.

A par da Cartuxa de Parma, o Vermelho e Negro é dos melhores romances que a história da literatura conheceu.
Redescobri-los é como se nos descobrissemos também um pouco.

Como Stendhal conseguiu inventar o mundo inteiro em duas pequenas cidades de França e Itália, é a arte que a muito poucos coube: a capacidade de tudo criar através da palavra!
Fugindo através delas da tirania das máscaras frágeis de um lugar qualquer, e criar, assim, um qualquer lugar, onde a densidade das histórias nos transporta ao mais profundo que há em nós: a capacidade de querer e de crer. Somando a cada dia a liberdade de escolher.




«Não tenho a menor ilusão - dizia-lhe ela, mesmo nos momentos em que se atrevia a entregar-se a todo o seu amor -, estou condenada à danação, irremissivelmente condenada. Tu és moço, cedeste às minhas seduções, o céu pode perdoar-te; mas eu estou condenada ao fogo eterno (...). Tenho medo; quem não teria medo à vista do inferno? Mas, no fundo, não me arrependo. De novo cometeria este erro, se não tivesse ainda cometido.

(...) Mas, e tu, pelo menos, meu Julien (...) tu és feliz? Achas que eu te amo o bastante?»


sexta-feira, junho 7

Chama-me o Sul: o Alentejo Litoral .... (reed.)

Ver: http://mirobrigaeoalentejo.blogspot.pt/search?q=pessegueiro





Mesmo quando algumas oliveiras têm dificuldade em crescer, de serem lentas a criar raízes no chão, há lugares que sempre nos pertencerão!

Como há amores que só morrem pelas nossas mãos.

Aqui vos deixo um apontamento, um caminho a percorrer (do Castelo Velho - Miróbriga e a capela de S. Brás, as suas ruínas, os ciprestes, sobreiros, zambujos e as imaginadas papoilas que em Maio florescem - ao Castelo Novo fortificado pelos Espatários) que tantas vezes cruzei, por entre moinhos e veredas, mas que sempre consegui ver com um novo olhar.


Mas poderão rumar ainda mais ao mar: Sines, a Ilha do Pessegueiro, Vila Nova de Milfontes, lembrando velhos caminhos romanos, potenciando o que mar fornecia, transformado o pescado em garum e salmoura, quer em Sines, quer nas fábricas de salga do Pessegueiro, que funcionaram entre os séculos II e IV.

Ou espreitando o que resta do forte filipino e as pedreiras mandadas fazer por Alexandre Massai, sem terem, contudo, obtido resultados proveitosos que fazem daquela ilha fendida um lugar mágico e especial.
































E ver, ainda, ao longe, o Cercal, cheirando a serra ao metal que tornava ferruginosas as ribeiras; vi o Sado de Alcácer e as lagoas que, mais a Sul, viabilizaram uma agricultura mais fértil.


Mas já a noite havia chegado, e os tons se tinham esbatido no silêncio que lhe deu lugar. Como um dos dias mais fantásticos que vivi e que por lá passei, onde se desvendaram afectos como na "Ilha dos Amores"....

Afinal há tanta coisa para encontrar ...




Lily Allen

Loading...

Que as ragas tragam ao dia o que a noite lhe roubou

Loading...
Loading...
Loading...

Bom Domingo

Loading...

oiça a Buika ... oiça bem

Loading...

e oiça também a Lila Downs

Loading...

i want you, but i don´t need you ...

Loading...