My favorite things

Loading...

quinta-feira, fevereiro 19

há caminhos traçados como os sulcos da mão

















há caminhos traçados como os sulcos da mão
e nada, mesmo nada, lhes tirará o lugar ...

mesmo na dor, no suor, no gelo, no calor


há armas que não se limpam
nem no dia do rancor


há gritos que não se gritam
enquanto o uivo percorre as veias da mão

há lâminas que a cortar seriam para matar
mas de que serve a morte
se o caminho vai continuar?

há palavras que se não dizem
em nenhuma ocasião

há segredos que se contam apenas no interior de nós
como há horas que contam e outras não


porque tudo tem um sentido
mesmo que nos queiram dizer quer não

não, corrompidas não serão as minhas mãos

no doce sabor da solidão

Um comentário:

gonçalo disse...

Não costumo ser bom em poesia, mas hoje ao ler-te quase que me apeteceu fazer-te um.
Tão presente senti o teu grito calado que tive vontade de te dizer, grita, grita, apenas para que não se cale a tua voz.
Para que aqui possa voltar, reencontrando o que chamas o teu "lugar".

Lily Allen

Loading...

Que as ragas tragam ao dia o que a noite lhe roubou

Loading...
Loading...
Loading...

Bom Domingo

Loading...

oiça a Buika ... oiça bem

Loading...

e oiça também a Lila Downs

Loading...

i want you, but i don´t need you ...

Loading...