My favorite things

Loading...

sexta-feira, julho 4

Autorização para viver ou morrer

À minha mãe, de novo

Porque vi hoje, de forma tão clara, como a vida se pode esvair num segundo,
sem que nada ou ninguém nos peça para isso autorização, relembrei-me como somos, afinal, tão somente uma pequena molécula de que se prescinde tão bem ...
Só não prescindimos nós de nós próprios e os nossos filhos muito menores, porque para eles somos somente uma extensão.

Lembrei-me como o sofrimento inerente à morte, ao luto e à perda emocional têm também a ver com a aprendizagem do controlo de nós próprios, separando a dor efectiva da perda, da dependência que temos e alimentamos sofredoramente, sofridamente, em relação aos outros, desejando que tenham por nós a mesma insalúbre dependência.
Desejando que continuem eternos filhos menores para quem somos uma mera extensão!

Recordei momentos de perda muito duros que vivi, e lembrei quem, um dia, perante a morte me soube dizer: há momentos que temos que deixar partir quem quer partir, quem à morte já não consegue resistir.

É verdade, há momentos que temos que deixar os outros partir...

Mas hoje ainda não foi o meu dia de despedida.
Escrito estava o que tinha que ser!

Nenhum comentário:

Lily Allen

Loading...

Que as ragas tragam ao dia o que a noite lhe roubou

Loading...
Loading...
Loading...

Bom Domingo

Loading...

oiça a Buika ... oiça bem

Loading...

e oiça também a Lila Downs

Loading...

i want you, but i don´t need you ...

Loading...