My favorite things

Loading...

sexta-feira, setembro 18

Alvalade do Sado: o meu testemunho II (actualizado)


À minha filha.

Rumei a Alvalade do Sado, onde não ia há uns tempos.
Fui a convite da Junta de Freguesia que, em parceria com a Câmara Municipal de Santiago do Cacém, organizou, em boa hora, uma exposição sobre a ocupação do território ao longo dos tempos, utilizando para o efeito a Igreja da Misericórdia, datada do século XVI, onde promoveu escavações arqueológicas e trabalhos de recuperação.


Mal acabada de chegar, parei o carro junto do Sado, essa "estrada fluvial" que foi veículo fundamental de trocas, até data recente, e que, alagando a terra, a fertiliza, permitindo que a água e a terra fossem, efectivamente, os grandes motivos de fixação das gentes.

Do Mesolítico existem vestígios, que nos remetem a essa relação mais estreita com o rio, onde as populações vão buscar os seus recursos alimentares, e, a partir das sociedades nómadas e agrícolas do Neolítico, mós e enxós falam-nos de uma terra que cedo domesticada, até aos nossos dias, com a presença dos grandes arrozais e consequente desenvolvimento das grandes obras hidráulicas para o regadio, efectuadas no século XX, fazem, sem dúvida a razão de ser das fixação das pessoas.

O rio, esse Sado, continuava a banhar a terra e a ser escoadouro dos seus produtos.

A presença romana marcou fortemente esta região e os vestígios de inúmeras uillae comprovam a sua vitalidade agrícola. Uma ponte de provável origem latina marcava as saídas do aglomerado urbano, apontando caminhos que bifurcavam para os lados de Aljustrel, onde as minas eram o grande recurso e também para o litoral.
Da presença árabe lhe ficou certamente o nome.
Pertenceu à Ordem de Santiago de Espada que na Matriz ainda conserva as insígnias.
Ao tempo de D. Manuel recebeu "Foral Novo", em 1510, tendo-se erguido pelourinho que lhe conferia a autonomia concelhia finalmente perdida, no século XIX, a favor de Santiago do Cacém.

Por isso ainda se veio a denominar a Praça D. Manuel o que ainda é o centro da vila.
Ao que consta D. Miguel terá passado a sua última noite, antes de partir para o exílio, em Alvalade do Sado, tendo, contudo, a vila passado por fases diferenciadas de apoio quer aos Liberais, quer aos Absolutistas, como ainda se pode comprovar na sua toponímia.

Mas o que me fez parar não foi isso. ... isso será para outra fase, num outro espaço.

O que me fez parar foi as recordações que para mim tem aquele lugar.
Respirei fundo e pensei: sim, a vida traz-nos sempre aos mesmos lugares, com a vantagem de os conseguirmos ver com outro olhar.
Hoje, quando cheguei a Alvalade, parei de novo e pensei: "se aqui sobrevivi e ainda tanto aprendi, porque não o farei agora e ainda muito melhor?".

Entrei no carro e fui-me encontar com caras familiares, de há vinte anos, e sorri de ter a sorte de com elas ir (re)conhecer o que ali aprendi.
Fui também ver as escavações que o Rui Fragoso coordenou na Igreja da Misericórdia de Alvalade do Sado que amanhã poderão ser visitadas pelo público, bem como painéis de exposição e textos que havia que reler.

E aqui deixo o testemunho de há 20 anos atrás:






Cantem moças, cantem moças
Nesta linda sociedade
Qu'é para quem passar dizer
Viva as moças d'Alvalade


Santa Luzia dos Olhos
São Martinho dos mancebos
E Panóias bizarria
Garvão é terra de negros
Messejana, gravidade
Para falar com cortesia
Barrigotos de Alvalade

Após uma viagem sem atribulações, cheguei um dia a Alvalade (do Sado), em 1990, depois de ter tido conhecimento que aí tinha sido colocada na condição de estagiária, na Escola C+S, curiosamente no dia da inauguração de uma pequena exposição interpretativa que nos havíamos proposto fazer na Capela de S. Brás, em Miróbriga.
Já havia estado em Alvalade, durante as campanhas de trabalhos preparatórios a essa exposição, e, confesso, pouco me haver entusiasmado a vila, pelo que jamais me ocorreria aí vir a viver, pois a um estágio tinha apenas concorrido para o concelho de Santiago do Cacém, pela proximidade das ruínas de Miróbriga.

Lembro-me de ter chegado a Alvalade de comboio apanhado no Barreiro, após travessia do Tejo, tendo por companhia, para o mergulhar da noite, já em pleno Alentejo, o meu leitor de cassetes com headphones.
Para trás ficavam os amigos e familiares que, em fins de tarde domingueiros, a casa iam recolher.
Mas, não ficavam só os amigos, os hábitos, as minhas "geografias afectivas", mas também o trabalho que gostava de fazer, porque a outra tarefa havia que me dedicar, pois não podia correr o risco de perder o vínculo à Educação de onde me encontrava afastada por destacamento.

Recordo as primeiras chuvas do Outono, sair num apeadeiro mal iluminado; parar e recomeçar de novo a caminhar com os sacos de viagem na mão, num percurso onde apenas pontuava a luz da fábrica de descasque de arroz e, alguns dias, confesso-o, quase nem sabia se o que me corria no rosto eram lágrimas ou as bátegas que mo fustigavam.

Julgo ter sentido na pele, nos primeiros tempos, a sensação que deve ter tido o Padre Jorge Oliveira, quando para Alvalade foi morar, pois para mim representou, nessa fase inicial, como que um sítio de "degredo", onde apesar de já não grassar o paludismo, ainda se podiam refugiar mal amados (ou mal "comportados") da antiga corte ou da urbe actual.

E assim assentou arraiais em Alvalade uma urbana convicta, pese as inúmeras e cíclicas incursões de trabalho no Alentejo, mas que apenas duravam temporadas.

Lembro-me depois que poisava sacos e malas em casa, já noite feita nas ruas do aglomerado.
E, por chegar a horas tardias, quantas vezes imaginava poder comer num sítio qualquer. Mas em vão procurava um restaurante. Apenas uma pequena tasca, nas imediações de minha casa, vendia umas bifanas para quem chegava a desoras.



Lembro-me ainda da sensação de lá entrar ... era a única mulher!

Homens, apenas vultos de homens apinhando o espaço, olhares intrigados por ver entrar aquele ser estranho, ainda por cima mulher.

Recordo esse frio, a somar ao frio de ter conseguido ali finalmente chegar. Mas nunca desisti de lá ir. Sempre que me apeteceu, ou a necessidade o exigia.

Como não desisti de conhecer o sítio onde estava e que, devagar, devagar, me foi dando a conhecer os segredos que o Sado construiu ao longo dos séculos, nem de olhar com atenção os telhados cobertos de gelo com que acordava nas manhãs de Inverno.

Hoje aqui, reencontro outro sítio e encontro os amigos que me ajudaram a conhecer um outro local, tão diferente se demonstrou do das primeiras impressões.


Mas, para que assim fosse, houve que desbravar o tempo e o espaço naquele sítio, em seu redor.
Houve que marcar as horas, cerrando as portas a tudo o que fosse desperdício de tempo, pois havia um estágio a fazer; um trabalho a desenvolver e um Clube Europeu de Arqueologia para implementar na escola, para que não se esbatesse da memória dos alunos a memória do seu lugar.

Aí colectámos peças arqueológicas de vários lugares: da casa do Povo que, de boa fé, os cedeu; de particulares e outros, avulsos, encontrados em visitas efectuadas a sítios deixados ao abandono.
Aí catalogámos e marcámos pequeninas peças, tentando ensinar e aprender que cada uma delas tem uma história para contar.
Aí organizámos conferências, falando de Egípcios, de Romanos e da Conquista Cristã.

Em Alvalade descobri que a ponte não era senão a passagem para outros lugares. E reforcei a ideia que resistir, continuar é o sítio de quem não quer parar.

E, porque a vida se encarrega de tudo nos fazer reencontrar: as coisas e as pessoas que aprendemos a amar, abrindo e fechando círculos, melhor, abrindo-se em espiral com os anos carregados do que nos fiz viver e aprender, só posso manifestar aqui e agora a minha alegria ao saber que a história do Sado e do território que ele banhou de uma forma mais aprofundada irá ser contada, em Setembro, na Misericórdia de Alvalade.

À Mariana.

Ao José Matias, à Fernanda Vale; ao Gentil Cesário; ao Rui Fragoso, meus colegas de mais esta "jornada".

2 comentários:

José disse...

Por exemplo, agarrei no que me mandaste http://mulheresaoluar.blogspot.com/2009/03/proposito-do-dia-das-mulheres-o-meu.html
e onde é que eu o encontro? Vai-me sempre parar à mesma página! à mesma linda fotografia da menina quase pensativa a reflectir-se na vidraça! E à espera de um beijo!



P. S.: Pedi para visualizar antes de gravar e verifico que estava como se eu o tivesse escrito às 11:38! O teu relógio está com 8 hotas de atraso!

Ana disse...

Olá!
Tenho a certeza de que não me conhece. Talvez conheça familiares meus de Alvalade! Não imagina como é bom ouvir (ler) falar sobre a terra dos meus pais, ver Alvalade desta prespectiva fá-la ser ainda mais diferente. Perdida no meio do Alentejo, longe de tudo, com uma vista linda sobre a várzea e, actualmente, sobre a 'auto-estrada' do comboio... belas recordações... tenho 32 anos e muitas aventuras vividas lá, naquela adolescência que não volta mais.
Obrigada por falar de Alvalade.
Um abraço

Lily Allen

Loading...

Que as ragas tragam ao dia o que a noite lhe roubou

Loading...
Loading...
Loading...

Bom Domingo

Loading...

oiça a Buika ... oiça bem

Loading...

e oiça também a Lila Downs

Loading...

i want you, but i don´t need you ...

Loading...