My favorite things

Loading...

quinta-feira, abril 11

Bom dia Primavera: a Quinta da Regaleira, Sintra (reeditado de 2011)


















E que tal ir melhor conhecer a Sintra Romântica de Lord Byron ... do Castelo dos Mouros, do Palácio de D. Fernando II, o princípe e rei consorte que tão bem recordava a Baviera de Luís II com a corte alcantilada no castelo de Neuschwanstein, ou a Sintra da Quinta da Regaleira.
Ou a Sintra dos jardins e parques de Monserrate e da Pena?

Mas também a Sintra de Eça de Queirós e de Ortigão no seu intrigante «Mistério da Estrada de Sintra»?

Amanhã aqui voltarei.

 







Amanhã a Beleza e a poesia juntar-se-ão a dançar nesta extraordinária «Quinta da Regaleira» de traça neomanuelina e desenho de Luigi Manini, onde entre jardins, percursos subterrâneos e "patamares dos deuses" é possível fazer também uma caminhada por dentro de nós repetindo gestos e rituais sem tempo!


«As origens da quinta hoje denominada da Regaleira, então conhecida por quinta da Torre, parecem remontar ao ano de 1697, quando José Leite adquiriu uma vasta porção de terra situada nos limites da vila de Sintra. Em 1715, a propriedade é colocada em hasta pública e adquirida por Francisco Alberto Guimarães de Castro, que logo mandou realizar obras destinadas a abastecer uma mina da quinta com água canalizada da serra de Sintra. Em 1800 a quinta passa para a posse de João António Lopes Fernando, e trinta anos mais tarde para Manuel Bernardo, sendo então denominada Quinta da Regaleira. Pouco depois, em 1840, foi adquirida pela filha de Allen, um rico comerciante de vinho do porto, tendo esta recebido posteriormente o título de Baronesa da Regaleira.
A maior parte das construções hoje existentes devem-se porém a António Augusto Carvalho Monteiro, proprietário a partir de 1892, homem de vasta cultura e riqueza. Os símbolos nacionalistas que encontramos na Regaleira, bem como o gosto revivalista no qual tão bem se inserem, resultam da conjugação do seu gosto e sensibilidade com o projecto do arquitecto e cenógrafo Luigi Manini (autor dos edifícios do palácio do Buçaco, do teatro de São Carlos em Lisboa, e do teatro La Scala em Milão, entre outros). As obras decorreram entre 1904 e 1910, tendo Carvalho Monteiro morrido em 1921. A propriedade passou então para os herdeiros, nomeadamente para a posse de Pedro Monteiro, tendo sido vendida em 1945; os projectos então existentes para a quinta passavam pela adaptação a hotel, nunca efectuada, até que a Câmara Municipal de Sintra a adquiriu, resultando daqui o seu restauro progressivo, e a sua abertura ao público.
A quinta integra um magnífico jardim, constituído por árvores exóticas e vegetação abundante, que compõe um curioso percurso de características marcadamente cenográficas. Para este percurso, bem como para o imenso acervo iconográfico que compõe a profusa decoração de todo o palacete, anexos e jardins, pode apontar-se uma linha orientativa de cariz esotérico, conjugada com a simbólica nacionalista dos estilos arquitectónicos neo aqui utilizados. Assim se poderia entender o percurso dos jardins como viagem de teor iniciático, incluindo uma alameda ornada com estátuas de deuses clássicos, uma misteriosa gruta artificial abrigando um lago onde deveriam nadar brancos cisnes sob o olhar de uma mítica Leda, um terraço chamado das Quimeras, e ainda um bosque sombrio, cuja travessia apela a um silêncio introspectivo, proporcionando finalmente a visão da torre do palácio, com larga vista da serra. Particularmente impressionante, neste contexto, é o grande poço, conduzindo progressivamente o visitante até ao fundo, decorado com uma cruz templária e uma rosa-dos-ventos, através de uma descida espiralada; e ainda um túnel estreito, longo e escuro, que liga as profundezas da terra à visão de um terraço alteado e luminoso. A simbólica templária repete-se um pouco por toda a parte, na capela neo-manuelina e nas salas palacianas, que abrigam mobiliário feito por encomenda, tal como um imponente trono entalhado, sempre exibindo simbólica heráldica ou mitológica. A evocação da História de Portugal repete-se nos frisos com os reis portugueses, enquanto uma menção directa ao imaginário maçónico se poderá deduzir do tecto pintado da Sala das Virtudes, onde se encontram as personificações da Força, da Beleza e da Sabedoria. De facto, tem sido aventada a possibilidade de uma eventual filiação maçónica por parte de Carvalho Monteiro, de acordo com o espírito da época e com a inclinação intelectual de uma certa elite nacional. Aqui encontra localização privilegiada o espólio da colecção de artefactos maçónicos de Pisani Burnay, presentemente exposto no palácio da Regaleira».Silvia Leite, in  http://www.igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrimonioimovel/detail/71688/

Castelo dos Mouros a partir da Quinta da Regaleira.
Foto: O Castelo dos Mouros a partir da Quinta da Regaleira, Sintra.

Foi aqui hoje o lugar escolhido para as «Tardes sem Tempo».

Um comentário:

Júlio Pêgo disse...

Na equidade dos dias repartidos entre a luz e a sombra, a Quinta da Regaleira foi palco de partilha e conhecimento pela mão e voz do Arq. Cruz Alves. Celebramos pois o Equinócio da Primavera na esperança de outras visitas, outras descobertas, outros olhares.

Lily Allen

Loading...

Que as ragas tragam ao dia o que a noite lhe roubou

Loading...
Loading...
Loading...

Bom Domingo

Loading...

oiça a Buika ... oiça bem

Loading...

e oiça também a Lila Downs

Loading...

i want you, but i don´t need you ...

Loading...