My favorite things

Loading...

segunda-feira, outubro 5

Sobre a Inquisição em Portugal (reeditado)

«Os desejos do rei e dos seus acólitos eram sinceros e desinteressados; mas o estado moral das classes directoras era tal, que a instituição apareceu podre, desde o início.

(A Inquisião) não inovou: deu, porém, corpo, unidade se sanção a processos que anteriormente se seguiam já. Tornou sistemático e constitucional o que se fazia em meios pérfidos, atacando frente a frente a humanidade, a família, o carácter ... ».

Oliveira Martins, História de Portugal


Se algum livro continua a ser actual, neste Portugal que pretende já ter atravessado o milénio, é, curiosamente, «A Causa da Decadência dos Povos Peninsulares».

O texto, oitocentista, relembra o espírito com que a Inquisição impregnou a Mãe Pátria.
A mesquinhez que, com que o facto de se estar permanentemente controlado, vigiado, ameaçado, se foi instalando nos espíritos, ao ponto de os amolecer ou mesmo putrefazer, com a agravante que esta doença social já nem ser identificada pelos seus portadores.

Pátria esta onde a demissão do fazer se substituia à do não fazer, porque a obra é sempre um insulto a quem não quer que se pense, se sinta, ou se faça. A quem quer manter o equilíbrio de um poder onde uns oravam e tinham e outros trabalhavam e serviam.

Onde o sentir, para além do cinicamente recomendável, ou de aparência inquisitorialmente controlável, é considerado objecto do "demo".

Onde a delacção sem rosto, acobardada tantas vezes na maledicência fortuita ou na grosseria sem nome, serve, hoje como ontem, imperativos de toda a ordem.

Infelizmente, esse espírito ainda se espraia neste Portugal, onde há tanta gente com pouco que fazer, ou sem vontade de fazer, com medo de fazer ..... pois assim mais tempo resta para se comentar o que os outros fazem; para se intentar destruir o que, bem ou mesmo mal, outros vão tentando construir, até porque tantas vezes vão trilhando caminhos quase desertificados.

Mas tudo tem ciclos: a vida; as coisas; as instituições. E não há nada como tentar ver neles um sinal que tudo está aí para se recomeçar.

Nada mais resta aos que querem acreditar que a Inquisição já não pode existir em Portugal do que continuar, tentando recomeçar cada dia!

Sentindo e fazendo sem receio nem pavor. Bem ou mal, mas tentando aprender.

Por isso repetirei «A República precisa (ainda muito) de nós»!


Para ver algumas iniciativas a propósito das comemorações da implantação da República
http://www.fundacao-mario-soares.pt/iniciativas/ilustra_iniciativas/2009/000716/Default.asp

5 comentários:

cigano disse...

é , infelizmente ainda há quem viva assim , tem demorado mas acredito que não durem muito mais.....os bichos e as bichas parasitas...........Cigano

Bel disse...

Assim vai Portugal...

Maria Filomena Barata disse...

E, talvez mais terrível ainda, tenha sido a herança que espiritualmente nos deixou, atemorizando-nos como seres individuais de seguir um caminho pessoal, que não seja o que os «irmãos do Santo Ofício» exigem de nós.

Maria Filomena Barata disse...

Habituando-nos a não nos enfrentarmos e a socorrer-nos dos outros para resolver o que a nós próprios deveria caber.
Fui tudo isso que a Inquisição nos deixou.

Filomena Barata disse...

Esqueci-me no texto original de um aspecto fulcral: uma das grandes diferenças entre os povos que se mantiveram no jugo da Inquisição e os povos da Europa que se "rebelaram", aderindo à causa protestante é, exactamente, a sua relação com o trabalho. A ética protestante/burguesa, assenta no valor do trabalho como factor de "redenção"; a ética de estratificação social que o Feudalismo instalou e que a Contra-Reforma católica continuou assenta numa relação em que o trabalho é só valor para alguns. Para outros, a casta justifica de per si a inêxistência de trabalho. Infelizmente esse aspecto ainda tem efeitos nos nossos dias, manifestando-se, quer nos valores morais, pois às castas tudo é perdoado, desde que mantidas as devidas aparências, quer no trabalho, pois a noção de "absentismo" ou "parasitagem" ainda não foi devidamente interiorizada por alguns que se sentem que têm direito a tudo, apenas porque pertencem a uma casta de eleitos. Mas o tempo está aí e ninguém o pára!

Lily Allen

Loading...

Que as ragas tragam ao dia o que a noite lhe roubou

Loading...
Loading...
Loading...

Bom Domingo

Loading...

oiça a Buika ... oiça bem

Loading...

e oiça também a Lila Downs

Loading...

i want you, but i don´t need you ...

Loading...